Portal MF

Coluna Feira Terra de Cultura

Tudo sobre a cultura feirense.
Por Emerson Azevedo

Publicada em 19 de Dezembro de 2015 ás 01:35:58

Acervo do Arquivo Histórico Theodoro Sampaio será digitalizado

 A partir do dia 20 de dezembro, cerca de três mil fotos do acervo do Arquivo Histórico Theodoro Sampaio, que pertence ao Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB), serão digitalizadas. Com a iniciativa, importantes imagens históricas da Bahia – como as inaugurações de grandes Avenidas, a visita do ex-presidente Getúlio Vargas ao bairro do Lobato e a construção do Belvedere, após a demolição da Igreja da Sé, poderão ser acessadas por pesquisadores, estudantes e público interessado. Através do Governo da Bahia, serão investidos R$ 46 mil para a digitalização das fotografias e a impressão de um catálogo com 200 imagens do acervo. 

O processo de digitalização deve durar quatro meses e tem previsão de ser concluído em março de 2016. As fotos ficarão disponíveis no site do IGHB (www.ighb.org.br). O Instituto é apoiado pelo Programa de Ações Continuadas de Instituições Culturais do Fundo de Cultura da Bahia, mantido pelas Secretarias Estaduais da Cultura (SecultBA) e da Fazenda. “Essa iniciativa possibilita a realização de projetos que levam a cultura para cada vez mais perto da população. Digitalizar esse rico acervo do IGHB é uma forma de proteger nosso registro histórico e cultural”, afirma o secretário de Cultura da Bahia, Jorge Portugal. 

As imagens do acervo são obras de Arquitetura Civil, Militar e Religiosa: Palácio dos Arcebispos; Centro Histórico; Cidade Baixa e Alta; Antigo edifício dos Correios da Bahia na Rua da Alfândega; e Biblioteca Pública, dentre tantas outras imagens que retratam a história e cultura da cidade de Salvador. O Arquivo Histórico Theodoro Sampaio do IGHB, foi fundado por Francisco Vicente Viana, em 1890, com o intuito de recolher a documentação de caráter público da Bahia. Na reforma de 1997, durante a primeira gestão da professora Consuelo Pondé de Sena, percebeu-se a necessidade de conceder ao acervo documental da Casa da Bahia sua destinação. 

De acordo com a arquivista e bibliotecária do Arquivo, Zita Magalhães Alves, o projeto de digitalização é de suma importância para a memória da Bahia. “São fotografias históricas que marcaram época em nossa estimada cidade. Muito me orgulha esse feito realizado pela Secretaria de Cultura uma vez que, serão imortalizados álbuns diversos. Os espaços onde são preservados a documentação não oferecem condições para serem implementadas as tecnologias atuais, por isso a necessidade dessa digitalização, na certeza de preservar a história”, pontua Zita. 

O Programa de Apoio de Ações Continuadas de Instituições Culturais foi lançado em 2012 para o período de três anos com o objetivo de fomentar a realização de atividades regularmente desenvolvidas por organizações culturais privadas sem fins lucrativos no estado da Bahia. O plano de trabalho das propostas aprovadas em 2012 está sendo prorrogado até junho de 2016 com reajuste de prazos e valores para o fortalecimento das ações culturais.

O Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB) foi fundado em 13 de maio de 1894, a entidade cultural mais antiga do Estado é também conhecida como a “Casa da Bahia”. É uma das 15 instituições apoiadas pelo programa Ações Continuadas a Instituições Culturais, iniciativa da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) e é contemplada com totalizando R$ 190.099,36, através do Fundo de Cultura da Bahia (FCBA). Recebeu, em 2011, do Instituto de Patrimônio Artístico e Cultural, a notificação de abertura de processo para tombamento da sua edificação e todo o seu acervo. Sua coleção reúne diversos papéis e registros de elevado interesse histórico. 

Sobre o Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais.

 

Por Emerson Azevedo

Outras postagens de Emerson Azevedo