Portal MF

Coluna Intervalo

O destaques do mundo do esporte
Por Cristiano Alves

Publicada em 24 de Maio de 2015 ás 22:34:01

Intervalo por Cristiano Alves

AINDA EM TEMPO – Quero aqui neste espaço registrar a minha tristeza pelo passamento esta semana do meu amigo Segundo Peleteiro Rajo, pessoa que dedicou a sua vida ao Fluminense de Feira. Era impossivel não encontra-lo nos jogos do Joia e não parar trocar dois dedos de prosa sobre o Fluminense. Todos fomos tomados de surpresa, mas a vida é assim mesmo. Que Deus conforte a família, os amigos e principalmente os tricolores.

ERA EXEMPLO – De amor ao clube, ou seja, hoje Peleteiro poderia estar descansando e por tantos serviços prestados, já poderia se dar por satisfeito. Mas mesmo assim, ele ainda se preocupava, se envolvia com as coisas do clube, independente de ser sempre uma figura presente aos jogos e quando não ia a sua ausência era sentida por todos.

ENGRAÇADO – É que bem antes de ser jornalista, eu já acompanha de perto a história do Fluminense, a participação dos seus dirigentes e Peleteiro sempre foi muito ativo. Gostava de ouvir suas entrevistas, sempre equilibradas, e desde daquela época já o admirava e depois de connhecê-lo pessoalmente pude ver de perto um dos seres humanos mais integros que conheci ma minha vida. Só resta agora os atletas dentro de campo conquistarem a vaga na elite e tenho certeza que onde Peleteiro estiver vai vibrar muito com seu Touro.

FALANDO NO TIME – Hoje o Fluminense volta ao palco que decretou seu rebaixamento em 2013, quando teve uma “vitória de Pirro” diante do Juazeiro. Ou seja, ganhou o jogo, mas infelizmente por conta de combinações de resultados foi rebaixado. Espero que hoje, a situação seja bem diferente e o time volte a vencer para seguir no seu caminho certo de volta elite estadual em 2016.

NEM TODA ESTRADA – É perfeita. Tem suas “costelas de vaca”, seus “buracos” e os acidentes acontecem. Assim é o futebol, onde nem sempre o melhor vence e deve o torcedor pensar desta forma em relação a derrota de 4 x 3 sofrida pelo Fluminense diante do Jequié. Eu estava lá e não vi nada demais no time jequieense que se suprerou e venceu o Touro, que por sua vez teve seus pecados e por conta disso veio o revés.

NÃO FOI SANGRIA DESATADA – A derrota, mesmo porque o time segue na ponta da tabela e um fator também que deve ser levado em consideração é o que nenhuma equipe conseguiu imprimir uma sequência de resultados postivos e por conta disso é que a competição se nivela. Quen obtiver uma sequência destas tá com tudo para subir. Nesse sentido, o Touro continua bem na fita.

CLARO – Que já existiam coisas a serem corrigidas e que ficaram evidenciadas com a derrota. Todos tiveream esta semana para refletir, ver o que aconteceu e a partir disso adotar as medidas necessárias para que não mais ocorram tropeços. Se acima de qualqer coisa prevalecer a humildad, o Touro pode se recuperar.

AINDA BEM – Que pelo que nós acmpanhamos até aqui, Salles tem sindo uma pessoa de muito equilíbrio e com certeza hoje, o Fluminense deve ter outro tipo de atiude em campo. O jogo é complicado, mas o Fluminense por tudo o que fez até aqui tem condiçõrs, sim, de obter um resultado postivo em Juazeiro.

BASTA – O treinador Paulo Salles e os atletas terem a sabedoria para administrar a situação que lhe é favorável. Se conseguir um resultado postivo hoje e vencer os seus dois jogos que ainda faltam no Joia da Princesa carimba a vaga com 18 pontos. É só ter a sabedoria suficiente para administrar, fazer os pontos necessários e correr para a alegria.

QUEM NÃO ESTÁ NADA ALEGRE – É o torcedor do Vitória, que viu seu time perder mais uma classiificação dentro do Barradão. Desta vez perdeu a vaga na Copa do Brasil para o modesto Asa/AL, que tem como seu principal jogador o meio-campista Didira, e o seu treinador é o ex-zagueiro Vica. São nomes engraçados, mas que dentro de campo aumentaram a fase de desgraças do Vitória.

É TRISTE – Ver o time mergulhado nesta crise, que parece interminável. Esta semana ouvi o nobre comapnheiro Martinho Lélis afirmar que toda crise é passageira, porém o que parece é que a crise nas hostes rubro-negras não tem fim. Parece um beco sem saída e qualuqer solução que for apontada sempre será vista com ressalvas.

O PRIMEIRO PASSO – Para mudar isso será a mudança de atitude daqueles que estão no comando do clube. Não é porque tem um grupo na linha de frente, que outros não possam dar ideias, sugestões, participar da vida do Vitória. Infezlimente tem gente que só vai ajidar se tiver na frente. Pelo que estamos vendo aí, todo mundo tem que se juntar, ou então o pior vai acontecer.

Cristiano Alves - Jornalista - DRT-BA-2300

Colunista de Esporte do Portal MF e Editor chefe do Jornal Folha do Estado 

Por Cristiano Alves

Outras postagens de Cristiano Alves